“Boneco de Neve” é um filme chato, entediante e pouco envolvente.

Adaptado do livro de Jo Nesbo, que por sinal já falamos aqui no site, Boneco de Neve tem como pano de fundo uma história tensa e a sua versão cinematográfica tem um senhor elenco. Encabeçado por Michael Fassbender (X-Men), Rebecca Ferguson (A Garota no Trem), JK Simmons (Whiplash) e Charlotte Gainsbourg (Ninfomaníaca), estamos diante de um suspense com um potencial altíssimo de tensão e com o intuito de te deixar preso na cadeira e roendo as unhas, pena que tudo isso é desperdiçado com um roteiro bagunçado, atuações pouco inspiradas e acima de tudo, uma sensação de tédio tremenda que transformam toda a experiência em um verdadeiro exercício de paciência.

Só para vocês entenderem a gravidade do que eu estou falando, saca só como seria a história, teoricamente falando. O trailer vende Boneco de Neve como uma boa e velha trama de serial killer, e aqui acompanhamos um assassino impiedoso que sempre no começo do inverno faz uma vítima, mais especificamente mulheres casadas, e deixa um tenebroso bonequinho na frente de suas casas. É aí que o detetive Harry Hole (Fassbender) entra em ação junto da sua nova parceira, Katrine (Ferguson), e juntos eles precisam impedir que mais mortes aconteçam e claro… descobrir quem é  o desgraçado que está por trás dessas atrocidades.

Essa é a premissa do livro e também a do filme, porém, enquanto no livro o foco a todo momento é a investigação dos assassinatos, no filme somos torturados com uma trama que não sabe qual caminho seguir. Estamos falando sobre um assassino em série ou alguma outra coisa? Não dá para saber, pois o roteiro se perde em meio a sub tramas que além de não se desenvolverem, tomam tempo demais com absolutamente nada de relevante acontecendo. Mortes? Perseguição? Grandes acontecimentos? Esquece! Tudo é jogado na tela e foda-se, não tem uma dinâmica ou urgência na coisa toda, a gente apenas acompanha o ritmo forçadamente lento da história, sem profundidade em absolutamente nada e mais do que qualquer coisa, sem saber direito o que está acontecendo e qual o seu foco principal.

A tensão e o mistério, que no livro são abundantes por conta das perseguições, violência gráfica das mortes e toda a tortura psicológica que o Boneco de Neve faz nas vítimas, aqui dão espaço a uma história que não nos envolve de maneira alguma, afinal, somos apresentados a inúmeros flashbacks (que são escancarados DO NADA na nossa cara) e personagens que supostamente seriam importantes, mas que mostram não ter importância nenhuma no final de contas. O roteiro de Boneco de Neve é tão ruim e mal escrito, que não só não consegue adaptar o seu material de origem, como também apela para rumos deveras desinteressantes e que não despertam nenhum pingo de emoção, afinal de contas, nenhuma situação é desenvolvida a ponto de temermos seu assassino, entendermos suas verdadeiras motivações e muito menos nos afeiçoar aos protagonistas.

Se não fossem os personagens nada carismáticos, a história confusa que sai do nada e chega a lugar nenhum, as revelações sem explicação plausível ou até mesmo as atuações apáticas de TODO o elenco, Boneco de Neve seria um bom suspense. O livro é bem bacana e tem uma trama bem amarrada, com um assassino complexo e bastante suspense, mas aqui a coisa simplesmente não engrena, não há nenhum momento impactante e não há nenhuma revelação empolgante, simplesmente o filme como um todo não abraça nenhum lado e o resultado final é muito, mas muito decepcionante. Não funciona como adaptação pois joga fora tudo o que sua trama original tem de melhor, e muito menos como uma diversão, já que o sentimento que mais predomina durante seus longos e desnecessários 120 minutos, é aquele que pode ser considerado crime gravíssimo dentro desse gênero delicioso: o tédio.

Victor Piacenti

Um cara fanático por Stephen King, que sente um prazer imenso ao ver uma cidade sendo destruída na tela do cinema. Além de ser sagitariano, não sabe andar de bicicleta, é viciado em coxinha e acredita (até demais!) em ETs.