Revival (Stephen King)

revival - stephen king

Stephen King é meu autor favorito, não tem nada que ele escreva que eu não tenha vontade de ler, se o velhinho, sei lá, escrevesse bula de remédio, com certeza ficaria ansioso demais para ver o que foi feito.Acho o máximo como a cabeça dele funciona, a maneira como ele desenvolve seus personagens é algo que poucos conseguem e isso é o que mais me fascina em suas histórias. ‘Revival’, que foi lançado aqui no Brasil em 2015, é o exemplo perfeito do que eu quero dizer, é literalmente um choque de monstro e me conquistou logo nas primeiras páginas. Não foi preciso me aprofundar muito na trama para notar a qualidade dela e galera, vou adiantar uma coisinha pra vocês, o cara se superou.

Na trama acompanhamos Jamie Morton, um garotinho que vive com sua família em uma cidade do estado do Maine. Com a chegada de um novo e moderninho reverendo na igreja local, Charles Jacobs, a rotina de seus moradores muda de uma hora para a outra; principalmente depois que uma grande tragédia acontece, abalando a pacata vida de todos e selando o destino de Jamie e Charles para sempre, com consequências que desafiam a vida… e a morte.

Claro que não vou contar para vocês sobre o que a história de fato fala, pois esse é o grande segredo do livro. Stephen King nos presenteia com uma trama que viaja através do tempo e aos pouquinhos vamos descobrindo o que realmente está acontecendo. Acompanhamos as vidas de Jamie e Charles ao longo de cinquenta anos e por mais que seu desenvolvimento seja um bocadinho lento, a tensão é constante justamente por não sabermos a real intenção de seu ‘antagonista’. Charles Jacobs é um personagem hiper complexo e esse mistério em torno de sua personalidade é o grande trunfo de ‘Revival’, afinal, não tem nada mais instigante do que não saber se o vilão é realmente o vilão, não é mesmo? Isso sem falar no mocinho, que conhecemos como uma criança fofa e com o passar dos anos vai se transformando, o autor nos faz criar laços com os personagens de uma maneira impressionante e que automaticamente nos faz nos importar com os rumos, até certo ponto surpreendentes, que se as coisas vão tomando.

O ponto que mais pode pegar mal para o leitor mais desavisado, é sua reviravolta. Ao mesmo tempo em que é uma mudança drástica na trama, serve como homenagem a outro grande autor da literatura fantástica, HP Lovecraft, e isso pode soar bobo e exagerado para quem não acompanha tanto os livros do Stephenzinho. Claro que não é um problemão, mas exige um pouquinho de mente aberta de quem está lendo e se você embarcar na proposta, vai se deparar com um puta final eletrizante. As últimas páginas são incríveis. O autor voltou às suas raízes e não poderia ser melhor.

Apesar de achar que algumas passagens se prolongaram mais do que o necessário, este é um livro muito bem escrito e com uma história que apesar de simples, prende bastante. Não espere ver muita ação ou aquele terror tenebroso, o que vemos aqui é uma trama sobre duas pessoas cujo destino foi entrelaçado por tragédias, superação, fé e acima de tudo: SEGREDOS. Só Stephen King para conseguir manter um mistério no ar por mais ou menos 400 páginas e 50 anos, sem perder o fio da meada e ainda surpreender. Arrisco dizer que o Reverendo Charles Jacobs foi um de seus melhores personagens, a cada vez que ele aparecia a tensão era constante e tudo tomava um novo rumo, isso sem falar em sua personalidade que até agora não sei definir como vilão ou mocinho. São esses detalhes que me fizeram gostar muito de ‘Revival’ e confesso que tudo foi bem diferente do que eu esperava, Stephen King arrebentou mais uma vez e é uma leitura obrigatória para quem gosta desse estilo.

ps: a adaptação para os cinemas já está em pré produção 😉


  • Foi publicado pela Suma das Letras
  • Tem 376 páginas
  • O lançamento foi em 2014
  • Classificação: ÓTIMO

Victor Piacenti

Um cara fanático por Stephen King, que sente um prazer imenso ao ver uma cidade sendo destruída na tela do cinema. Além de ser sagitariano, não sabe andar de bicicleta, é viciado em coxinha e acredita (até demais!) em ETs.

>