“Dupla Explosiva” diverte por não se levar a sério.

O filme começa quando, o principal guarda-costas do mundo (Ryan Reynolds) possui um novo cliente: um assassino de aluguel (Jackson)  que precisa testemunhar na Corte Internacional de Justiça. Por anos eles estavam em lados opostos de um tiro, mas agora eles estão presos juntos e precisam colocar as diferenças de lado para chegarem ao julgamento a tempo.

Com nomes de peso como, Ryan Reynolds, Salma Hayek, Samuel L. Jackson e o querido Gary Oldman, o filme traz não apenas cenas de ação, mas uma mistura incrível de risadas e uma pitada de dramalhão mexicano, fazendo com que a coisa toda pareça um grande deboche, o que envolve o público em meio a risadas inevitáveis, mas também, se tiverem um olho mais atento, podemos perceber as críticas direcionadas à política, como corrupção, e também aos relacionamentos, no que diz respeito a lealdade, afinal, um filme de ação, não precisa ser só explosão e caras fortões, não é mesmo?

O destaque fica para Salma Hayek, que interpreta a esposa de Samuel, com um sotaque pra lá de carregado e muita ironia em suas falas, a típica boca suja do caramba, que arrancou risos e mais risos da plateia; outro que também encontrou o tom certo do filme, foi o próprio Samuel, que mesmo no papel de justiceiro, liderou bem a trama, dando espaço certo para Reynolds, não largando a veia cômica e sabendo introduzir piadas certeiras a cada cena. Falando em Reynolds, ele como sempre, parecia confortável, interpretando um papel rotineiro e sem fugir muito de sua linha de atuação. Outro que apesar de estar bem, mas não teve tanto destaque, foi Gary Oldman, no papel de vilão, cínico e sem escrúpulos, mas que não teve um impacto tão grande como os outros personagens, isso talvez mais por conta de suas cenas, que não foram muitas.

A trama apesar de divertida, não fugiu muito do roteiro clichê e da trilha sonora seguindo a mesma vibe, com músicas que marcaram há uns 16 anos atrás, mas com um estilo bem piegas, arrematando cenas non-sense. Um ponto que não saiu com perfeição, foram os efeitos especiais, que não foram horríveis, mas um olho mais treinado, acaba-se percebendo a presença de computação gráfica em algumas explosões, entretanto, para balancear, as cenas de perseguição foram de tirar fôlego, claro, com o toque das piadas e atrapalhadas entre os personagens.

Em Dupla Explosiva podemos esperar por um filme que é uma mistura de ação com comédia, onde a gente não sabe se a comédia invadiu a ação, ou se ação invadiu a comédia, porque a mistura ficou na dose perfeita. O que pode surpreender é que, mesmo com uma ideia clichê, eles conseguiram trazer muita emoção e boas risadas durante a exibição, e é o que se espera desse estilo de filme, um clichê que apesar de tudo, envolve e diverte pacas o telespectador que quer se divertir descompromissadamente, então se joguem na poltrona, peguem sua pipoca e cuidado para não engasgar em meio às gargalhadas!

Liliane Stoianov

Trintona, psicolouca, pedagoga, ama viajar, tocar piano, compartilhar minha paixão que é o cinema, os devaneios e o que mais vier à cabeça durante as tramas e películas que assisto.