Filmes que deram MUITOS problemas nos bastidores.

Browse By

É muito comum a produção e os bastidores de um filme serem lotados de problemas. Eles são variados e atingem desde as produções independentes até os milionários blockbusters. Alguns ficam falados por anos, outros caem no esquecimento, mas ainda assim são marcados no DNA de um filme e servem como uma bela curiosidade para os cinéfilos pelo mundo. Vamos falar sobre algumas delas? 🙂

A Casa dos Sonhos

O filme estrelado por Daniel Craig, Naomi Watts e Rachel Weisz teve um dos bastidores mais conturbados dos últimos tempos, que refletiu tanto no resultado final, quanto nas bilheterias.

Dirigido por Jim Sheridan, as filmagens do longa foram extremamente problemáticas devido as divergências criativas entre ele e a produtora Morgan Creek, que estavam metendo o bedelho no roteiro e em toda a produção. Isso obviamente esquentou os ânimos e o diretor da produtora, Jim Robinson, resolveu então tirar a produção das mãos de Sheridan, ordenando que fosse feita uma nova edição da coisa toda, picotando o filme inteiro e inclusive montando um trailer onde todas as reviravoltas da trama FOSSEM CONTADAS, olha que absurdo.

A revolta foi tanta que o diretor tentou retirar seu nome dos créditos do filme e os protagonistas da trama se recusaram a divulga-lo pelo mundo. A Casa dos Sonhos sequer foi exibido para a imprensa na época de seu lançamento, sendo fadado a um fracasso iminente, tanto de público quanto de crítica. E sabe o que é pior? A história do filme é realmente muito boa, pena que a produtora resolveu cagar com tudo e tirar do público a trama original 🙁

#TeamSheridan

Quarteto Fantástico (2015)

Olha, o que realmente aconteceu nos bastidores do novo Quarteto Fantástico foi uma verdadeira confusão. Tudo começou com o fato da Fox Filmes pedir que o roteiro fosse reescrito de última hora e reduzindo drasticamente o orçamento. Dizem que a partir daí, o diretor Josh Trank começou a fazer descaso com os atores nos sets e ser um verdadeiro tirano, principalmente com Kate Mara (Mulher Invisível), que segundo os boatos, não era a escolha de Josh para o papel. A produtora tentou intervir mais ainda, sem sucesso, fazendo com o que o diretor se isolasse e de acordo com as fontes que divulgaram o babado, outra pessoa foi contratada para refilmar praticamente toda a parte final do longa.

E não para por aí, nessa refilmagem de cenas, dizem que os atores não toparam participar devido ao histórico da coisa toda e foram substituídos por seus dublês. Isso meio que se comprovou com uma declaração do ator Toby Kebbel, que interpretou o Doutor Destino, dizendo que as cenas que ele gravou sequer foram usadas, ou seja, durante o clímax, outro profissional foi usado no lugar dele e ele estava p*** da vida com isso. Bizarro, né? Isso sem falar que o clima ali era tão tenso, que Miles Teller (Senhor Fantástico) e Josh Trank quase saíram no braço.

Como se não bastasse, tentando tirar o seu da reta, o diretor fez uma postagem no Twitter dizendo, na época, que há um ano ele tinha uma versão maravilhosa do filme, que teria recebido ótimas críticas… e que jamais iremos assistir. Realmente.

Mad Max: Estrada da Fúria

Diferente dos outros citados, o resultado de Mad Max agradou tanto o público quanto a crítica, abocanhando várias indicações ao Oscar, inclusive de Melhor Filme. O problema aqui esteve, em partes, com Tom Hardy, que segundo as fontes, entrou tanto no personagem que mesmo fora das gravações ainda agia como o personagem, deixando Charlize Theron irritadíssima com o tratamento. Posteriormente os atores se desculparam pelo ocorrido, mas a atriz disse que não quer repetir a experiência e, até o presente momento, está fora dos próximos filmes da franquia.

Ah, mas no quesito produção,  outros problemas também tiraram o sono do diretor George Miller. Sem contar que o projeto estava em desenvolvimento desde 2003 e sendo adiado devido aos constantes problemas de agenda e logística, depois do início das gravações, Mad Max: Estrada da Fúria levou três anos para ficar pronto. Uma das dores de cabeça foi o fato de que George queria usar o menor número possível de efeitos visuais e o deserto que ele usaria para rodar as cenas frenéticas de ação foi surpreendido por vários dias de chuva, que, pasmem, transformaram o local em uma floresta que em nada calharia com a proposta do filme, o que, para variar, adiou a produção mais uma vez.

Quase um ano depois eles voltaram para o local e tudo deu certo, pena que o grupo de proteção ambiental que cuidava do deserto acusou os produtores de danificar a área e colocar em risco diversas espécies de fauna e flora que ali habitam.

Diário de uma Paixão

Apesar de uma química monstruosa no romance baseado no livro de Nicholas Sparks, os atores Ryan Gosling e Rachel McAdams se odiavam. Essa raiva era tanta que as brigas entre eles eram aos berros e demorava muito para conseguirem apaziguar tudo. Segundo os boatos, Ryan inclusive tentou exigir que um dublê fosse usado no lugar de Rachel para a execução de várias cenas, o que obviamente foi negado. As filmagens terminaram, o filme foi um sucesso e o que mais choca é saber que esse ódio era tanto, que algum tempo depois ELES ASSUMIRAM UM NAMORO que durou três anos. Dizem que em alguns casos o ódio é amor encubado… realmente, depois dessa faz muito sentido.

O Iluminado

Stanley Kubrick é famoso por ser um dos diretores com uma das melhores filmografias da história do cinema, porém, era também conhecido por seu gênio, digamos que, difícil. Durante as gravações do clássico O Iluminado, ele deixava claro todo o seu repúdio pelo trabalho da atriz Shelley Duvall e fazia repetir suas cenas dezenas de vezes. Lembram daquela famosa cena das machadadas na porta? Ela foi feita 127 vezes!

Mas não é só isso, Stephen King também deixou claro a sua revolta por toda a adaptação que Stanley fez de seu livro, mudando diversas partes que o autor julgava importante e dando início a uma das maiores rivalidades da cultura pop. Inclusive o autor detestou tanto essa versão, que anos depois resolveu fazer a sua própria, mas isso é assunto para outra matéria 😉

O que terá acontecido a Baby Jane?

Essa não poderia ficar de fora, não é mesmo? Talvez seja o caso de rivalidade mais famoso da história do cinema. As protagonistas deste filme que se tornou um clássico, Joan Crawford e Bette Davis se detestavam e deixavam isso claro para todo mundo. Os bastidores do filme foram marcados por fofoquinhas, bilhetinhos, manipulações, tapas… e claro, ameaças. Quem achou que seria uma ótima ideia colocar essas duas juntas no mesmo filme, gente?

Um dos fatos curiosos dos bastidores é que em uma das cenas Bette bateu tão forte no rosto de Joan que ela precisou tomar pontos. Claro que isso não ficou barato, e em uma das cenas que Bette precisaria carregar a ‘’amiga’’ pela escada, Joan fez questão de colocar pedras pelo corpo para ficar ainda mais pesada. Gente, isso que é picuinha, hein? Não vou negar, adoro!

Claro que não parou por aí, dizem que uma armou para a outra não ganhar o Oscar e vários disse me disse ecoaram ao longo dos anos. Essa história é tão marcante que, FEUD, uma série de TV sobre o caso foi filmada por Ryan Murphy (American Crime Story) e estreará em breve com Jessica Lange e Susan Sarandon nos papéis principais. NÃO PODEMOS PERDER!

Guerra Mundial Z

Os bastidores de Guerra Mundial Z foram bem mais leves do que os anteriores, mas não menos problemáticos. Isso por que o roteiro teve que ser refeito várias vezes para que tudo ficasse de acordo com as vontades do seu produtor, Brad Pitt, que insistia em fazer um filme que seus filhos pudessem curtir antes da maioridade. Para se encaixar nesse requisito, várias cenas precisaram ser regravadas e reescritas, atrasando as gravações em seis meses e estourando boa parte do orçamento, fato que obviamente esquentou os ânimos entre o ator e o diretor Marc Foster (O Caçador de Pipas). Ah, o final foi um dos principais problemas de toda a discussão, afinal, nem estúdio, nem diretor, nem produtor, chegavam a um acordo de como executar de uma maneira que pudesse satisfazer todas as partes. Engraçado que nessas horas ninguém lembra do público, né? Certíssimo!

Esquadrão Suicida

Que o resultado de uma das produções mais esperadas de 2016 ficou muito aquém do esperado, não é mais segredo para ninguém. Uma das justificativas para esse fato vem da agenda apertada que as gravações ocorreram, obrigando a equipe a fazer tudo correndo. Como se isso não fosse problema o suficiente, após as duras críticas quanto ao tom de Batman vs Superman, a Warner, apavorada, teria obrigado a produção a reeditar o filme às pressas, com o intuito de se adequar melhor ao público, adicionando mais humor e ação, fato que ficou nítido se analisarmos o primeiro trailer divulgado com o restante do material de divulgação. Não foi confirmado, mas há quem diga que Will Smith também ajudou muito nesse quesito, fazendo que seu personagem tivesse mais destaque do que os outros e metendo o bedelho em diversas partes do roteiro. Uma coisa é notável, Esquadrão Suicida é um filme obviamente picotado e isso tirou muito da qualidade que o filme poderia ter tido. Uma pena 🙁

Quatro Vidas de Um Cachorro

Este é um caso recente e está bem vivo na cabeça da galera. O problema aqui na verdade veio depois que o filme estava pronto, já que uma semana antes do seu lançamento, alguém ligado a produção divulgou um vídeo onde supostamente um dos cães treinados para o filme sofria de maus tratos. A gravação caiu nas redes sociais e rapidamente viralizou, causando um verdadeiro reboliço e levando as pessoas a um boicote para que o filme fracassasse nas bilheterias. A produção negou o ocorrido, mas cancelaram a pré estreia oficial e toda a parte de entrevistas com o elenco para divulgar da adaptação do livro de W. Bruce Cameron, que mesmo que não tenha feito o efeito desejado nas bilheterias, ainda assim manchou a reputação de seus bastidores. Uma análise foi feita e chegou a conclusão de que tudo não passou de uma maldosa edição, mas… nunca iremos saber de fato o que realmente aconteceu.

O Mundo Imaginário do Doutor Parnassus

A gravação do filme de Terry Gillian estava ocorrendo maravilhosamente bem e o diretor estava feliz da vida, pois conseguiu uma quantia alta para a sua produção dos sonhos graças à presença do queridinho do momento, Heath Ledger. O que ninguém imaginava era que dias depois do início da produção, o protagonista do filme morreria em circunstâncias trágicas, causando comoção no mundo inteiro. Com tudo sendo definitivamente pausado por um tempo, Terry estava disposto a continuar, considerando até mesmo recriar o ator com o auxílio de efeitos visuais ou até mesmo fazendo seu mágico personagem mudar de aparência em pontos chaves da trama.

Eis que alguém teve a brilhante ideia de invés de ter a dor de cabeça na pós produção, chamar atores como Johnny Depp, Jude Law e Colin Farrel para dar vida ao papel, que mudaria sempre que o personagem entrasse em uma espécie de outra dimensão. Os atores doaram seus cachês para a filhinha de Ledger e mesmo que tenha sido dramático, no final tudo deu certo, servindo como uma bela e criativa homenagem ao ator.

Você sabe de mais algum? Conta pra gente nos comentários 😉

Victor Piacenti
Editor Chefe | | Também do autor.

Um cara fanático por Stephen King, que sente um prazer imenso ao ver uma cidade sendo destruída na tela do cinema. Além de ser sagitariano, não sabe andar de bicicleta, é viciado em coxinha e acredita (até demais!) em ETs.

>