“Gosto Se Discute” poderia ter sido uma boa comédia brasileira.

Browse By

Augusto (Cássio Gabus Mendes) é o chef de um restaurante requintado, estabelecido há anos, que está em baixa devido ao sucesso de um ex-pupilo, Patrick (Gabriel Godoy), que trabalha em um food truck bem na praça em frente ao estabelecimento. Devido à situação, o banco que também é sócio do restaurante indica a rigorosa Cristina (Kéfera Buchmann) para ser a nova gerente. Ela de imediato bate de frente com Augusto, já que deseja alterar a rotina do local de forma a torná-lo rentável. Só que, em meio à pressão em criar um novo cardápio, Augusto passa a ter uma rara síndrome que faz com que perca o paladar.

A história é baseada numa crise profissional pessoal e na história de um amigo da família do diretor, as histórias foram contadas de maneira leve, embora tenham um cunho bastante dramático, quando se foca no medo de perder um grande sonho, uma grande conquista, e na vontade de lutar por esse sonho, como no caso do protagonista, que esta prestes a perder tudo que construiu, mas não sabe exatamente como lidar com isso e o que fazer, tanto que acaba desenvolvendo até um distúrbio psicológico, que envolvia o seu grande trunfo na cozinha: o paladar.

Com praticamente uma única locação e um baixo custo de produção, eles conseguiram uma mistura do clássico e do moderno dentro da própria história, que é a disputa entre o cozinheiro experiente e o jovem chef cheio de ideias inovadoras, e também entre o próprio elenco, com atores bem experientes, como o próprio Cássio Gabus Mendes, e Kéfera, que vem de outro meio de comunicação, muito atual, o Youtube; unindo também outro grande protagonista, a própria culinária. Kéfera, apesar de ainda ser uma “novata” nos cinemas, se entregou de corpo e alma, representando uma mulher forte, madura e dona de si, sem contar que também foi muito debochada, acompanhando o clima da produção.

Embora o aparente esforço de toda equipe para construir uma história com ares de gastronomia (que esta em alta em diversos programas e com ótimo interesse do público) e comédia, infelizmente o produto final ficou com aspecto de episódio de série, de uma novela qualquer, ou daqueles programas humorísticos de sábado a noite, com um ar caricato e não totalmente finalizando, já que saímos do cinema com aquela sensação de que a história não tinha sido concluída.

Gosto Se Discute poderia ter sido uma grande estreia para a comédia brasileira, se tivessem trocado o ar canastrão das piadas e pegado mais leve na caricatura dos personagens, mas fica aí uma bela dica de entretenimento e risadas, caso você não tenha muitas opções no final de semana.

 

Liliane Stoianov
Colaborador | Também do autor.

Trintona, psicolouca, pedagoga, ama viajar, tocar piano, compartilhar minha paixão que é o cinema, os devaneios e o que mais vier à cabeça durante as tramas e películas que assisto.

>