”Sobre Viagens e Amores” é um filme leve, divertido e generoso.

Fofo e delicado! Vamos aos cinemas conferir o filme Sobre Viagens e Amores! Só pelo contexto do filme já compensa pelo menos dar uma chance, quem não gosta de viajar, certo?! Esse assunto por si só já é tema garantido, um dos maiores prazeres da vida. Que traz um crescimento, conhecimento e amadurecimento, além de momentos incríveis. E sobre os amores, bom, dispensa comentários.

Filme do diretor italiano Gabriele Muccino, conta a história de Marco, um jovem italiano de 18 anos que estuda em uma escola internacional. Marco está no último ano da escola e ainda um pouco perdido sobre como será sua vida a partir de agora ou sobre o que ele tem vontade de fazer. Após ser atropelado e ganhar um seguro de 3 mil euros, ele resolve então pegar o dinheiro e viajar no verão em busca de uma aventura e inspiração. Ele decide ir para os Estados Unidos e vai ficar na casa de um casal de amigos de uma amigo dele da Itália, mas descobre que Maria (Matilda Lutz), uma colega da escola conservadora e antiquada que ele não gosta vai viajar com ele.

Chegando em são Francisco, Marco e Maria são recepcionados pelo casal onde vão se hospedar, Matt (Taylor Frey) e Paul (Joseph Haro). Os jovens então descobrem que se trata de um  casal gay, não fazendo menos diferença para Marco, mas Maria fica realmente incomodada em um primeiro momento, sendo rude e chegando até a desistir da hospedagem, mas depois de um tempo ela aceita, todos começam a se dar bem e tem um verão incrível.

Parece meio clichê, e é mesmo, mas não tira o mérito. Maria e Marco não se gostam, mas passam a se gostar depois de tudo o que vivem juntos, maria tem preconceito com homossexuais, mas depois que convive se torna muito amiga dos meninos, casos de verão, noites incríveis, aventuras, promessas de amizade para sempre. Acho que o preconceito de Maria em relação aos homossexuais é pouco explorado e pouco explicado, ela tem o problema e fica claro, os meninos conversam um pouco com ela sobre isso e contam sua história e ela parece logo ter superado e pronto.

Aliás não é só o preconceito de Maria que é pouco explorado, mas da família dos meninos também, que se mudam para São Francisco para viverem a plenitude da vida que escolheram para eles. Talvez tenha faltado alguma coisa, ou talvez também o diretor quis deixar mais leve e menos militante, como se ela por si só convivendo com os meninos e na cidade de São Francisco vendo tantos casais do mesmo sexo felizes, tenha feito superar o preconceito sozinha. Mas esse é só um tema do filme, um outro tema principal também é a descoberta da juventude, dos sentimentos, do medo em relação ao futuro e de um verão inesquecível.

Os tropeços, aventuras e descobertas que os 4 vivem juntos nesse verão explorando a cidade, as relações humanas e seus limites não chega a ser nada tão emocionante e nem excepcional, mas é divertido e bonitinho e tenho certeza que você vai se reconhecer e lembrar de momentos da sua própria vida em algum ponto, daquele verão, daquela viagem. Todos nós temos guardado essas histórias ou ainda estamos vivendo passando por elas!

Uma vantagem também é que podemos curtir algumas paisagens e cartão postal da Itália, Estados Unidos e Cuba, que são os lugares onde o filme se passa. Levando em conta também a cultura e língua em cada lugar por onde eles passam. Um filme não extraordinário, mas leve, divertido e generoso.

Alessandra Ganan

Nasceu e cresceu em São Paulo e hoje é graduada em Letras, Artes Cênicas e Audiovisual, mas quando criança só brincava de ser outras pessoas. Assistiu sua primeira série e filme “de adulto” aos 11 anos e de lá para cá nunca mais parou. Apesar de ariana, é uma pessoa legal.