VAZOU O ROTEIRO! Como seria o novo ”Sexta Feira 13”.

Em 2017 teríamos um novo capítulo da franquia Sexta Feira 13 estreando nos cinemas do mundo todo. O projeto esteve em desenvolvimento por vários anos e finalmente ganhou luz verde, porém, contudo, entretanto, devido a má recepção de O Chamado 3, outra franquia que foi revisitada atualmente, a Paramount tomou a decisão de cancelar seu lançamento e dar adeus a Jason Voorhees.  O pessoal do site americano Bloody Disgusting, teve acesso a um rascunho do roteiro do filme, escrito por Aaron Guzikowksi (Os Suspeitos) e abaixo nós traduzimos e adaptamos o artigo original, com tudo o que veríamos nesse filme que talvez nunca ganhe vida.

Segundo o redator John Squires, que leu o roteiro, o projeto tinha o título provisório Sexta Feira 13: Parte 13 (risos) e começaria mostrando o Acampamento Cristal Lake no ano de 1977. A cena inicial consistia em dois monitores do acampamento, Jeff e Sandra, subindo em uma das torres de observação do local para fazer um amorzinho gostoso e dando de cara com um assassino usando uma ‘’máscara de saco’’. Enquanto subia a escada, Jeff teria seus tendões cortados e cairia de lá de cima, enquanto Sandra seria arremessada e estabacada no chão.

Por mais que o espectador achasse que foi Jason o responsável, já que ele usava uma máscara igual à descrita em Sexta Feira 13: Parte 2, na verdade quem cometeu o crime foi ninguém menos seu pai, Elias Voorhees. Os quarenta minutos iniciais da produção mostrariam a dinâmica da família e seus conflitos, segundo John, Elias é descrito como um ‘’homem grande’’ e mataria pelo menos cinco pessoas durante essa primeira metade da projeção. Um amor de rapaz esse Elias, hein? Em determinado momento do filme, ele é morto por sua esposa, Pamela Voorhees, que é a cozinheira do acampamento e vive transbordando de raiva depois que seu filho Jason desapareceu. Um dos motivos para o seu assassinato, foi a descoberta de sua infidelidade.

Jason é descrito como um simpático guri que usa uma máscara branca para esconder a deformidade de seu rosto; algo novo para a franquia é o fato de que ele é alimentado por sua mãe através de uma espécie de sonda. Ele tem 16 anos no começo da história e claro, é atormentado por todos que vivem ali no local, John diz que nessa versão, o afogamento e ‘’morte’’ do guri é um pouquinho diferente do que já vimos nos outros filmes. Aqui os monitores estão drogados e o levam para um passeio de barco; munidos de uma câmera Super 8, eles arrancam  a máscara do coitadinho e filmam tudo o que ele se envergonha. Jason tenta fugir e voltar para o Acampamento Cristal Lake, mas acaba caindo no lago e ai todo mundo já sabe o resto.

Os protagonistas do filme seriam Annie, de 17 anos, e sua irmã mais nova, Mary, que são as filhas do dono do Acampamento, Steve Christy. A mais velha tem bastante afeição por Jason e até tenta ensiná-lo a nadar em uma das cenas do início do filme, mas acaba também envolvida em sua morte. Seu namorado, Barry, é o responsável por todos os maus tratos ao guri e quem dá todas as ideias que acabam na morte de Jason; após o ocorrido, todo o grupo de amigos concorda em sumir com as evidências e manter tudo em segredo.

Logo após essa ‘’pequena introdução’’, a história dá um salto no tempo, para meados dos anos 80. Com o desaparecimento de Jason e Elias mortinho da Silva, Pamela comete aquele massacre que vimos no primeiro Sexta Feira 13. John descreve essa segunda parte do roteiro como uma junção do primeiro com as duas sequências seguintes. Pamela vê o vídeo que os jovens gravaram e sequestra Annie e Mary para que elas paguem pelo que fizeram; claro que as duas escapam e Annie arranca a cabeça da mãe de Jason, daquele jeitinho que nós conhecemos.

Logo em seguida Jason retorna, com 19 anos de idade, terminando o que seu pai começou. Sim, temos três assassinos no filme. Elias, Pamela e Jason Voorhees, A DIVINA TRINDADE! Na meia hora final do filme ele volta com tudo após testemunhar a morte de sua mãe. Annie e Mary, junto de outros monitores do acampamento, travam uma batalha com o assassino. John descreve que os personagens eram bem corajosos e em determinado momento Annie ataca Jason com um motor de barco e arranca metade de sua máscara. Claro que mesmo assim eles ainda são assassinados com muita facilidade, ao todo ele mata mais sete adolescentes, usando diversas armas, entre elas um tridente, uma peixeira, uma estaca e claro… suas mãos.  Annie e Mary seriam as únicas sobreviventes.

Na parte final do filme, elas se escondem naquela torre onde os dois jovens foram arremessados e em determinado momento, Annie se veste como Elias com o intuito de assustar Jason.  Ela acha uma espécie de diário do rapaz e vê símbolos estranhos e coisas escritas nele, tipo: ‘’mate-o antes que ele nasça, antes que seja tarde’’.  John diz que o roteiro não se aprofundou nessa questão, mas é como se Elias soubesse o que Jason se tornaria, um monstro super-humano, e durante muitos anos tentou dar um fim na vida do filho. Explicando todo esse pavor do menino em relação ao seu pai. S I N I S T R O.

As páginas finais do roteiro são, segundo John, bem impressionantes, com Jason se mostrando mais inteligente do que imaginávamos e fazendo a torre cair com as duas gurias lá dentro. Annie morre com os ferimentos e Mary se torna a final girl, conseguindo escapar do vilão, que desaparece pela noite carregando uma lembrança: A CABEÇA DECEPADA DE SUA MÃE, posicionando-a  em uma árvore de frente para o lago, observando o acampamento.

CHI CHI CHI HA HA HA

Olha, sendo bem sincero, eu não achei essa ideia de todo mal não. Claro que talvez ela caísse na bagunça e se tornasse uma confusão, mas toda essa ideia de mostrar uma espécie de ‘’legado Voorhees’’ poderia ser bem interessante. Pelo visto ele teria muitas mortes e seria bem diferente dos outros capítulos, dando um novo ar para a franquia e explicando de uma maneira aparentemente bem pensada todo o passado de Jason. Infelizmente, muito provavelmente nunca não o veremos ganhando vida e jamais saberemos se essa proposta daria certo ou não, porém, ao meu ver, essa abordagem teria bastante potencial e entregaria, na pior das hipóteses, um slasher divertidão, do jeitinho que a gente gosta. Fiquei com um gostinho de quero mais e todo o filme que criei na cabeça me fez arrepiar. Jason é meu serial killer favorito e é uma pena saber que não o veremos novamente tão cedo, resta agora revisitar os antigos 🙁

Se você quiser ler o artigo original, em inglês, é só clicar aqui. O que vocês acharam? Curtiram? Não curtiram? Conta pra gente 😉

Victor Piacenti

Um cara fanático por Stephen King, que sente um prazer imenso ao ver uma cidade sendo destruída na tela do cinema. Além de ser sagitariano, não sabe andar de bicicleta, é viciado em coxinha e acredita (até demais!) em ETs.